quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A solidão que me alegra.

Eu vou curtir a tristeza, como quem curtiu a musica e se acalmou ao ouvi-la, eu vou louvar a solidão como quem louva a Deus, eu pedirei por socorro, como quem não quer ser acudido, eu sentirei o arrepio, a dor, o medo e a perda. Eu sentirei a sua falta, eu gritarei por você, mas nunca, jamais pedirei pra que volte, eu sei que seu lugar não aqui, e o meu não é contigo, por isso seguiremos rumos diferentes, e quem sabe um dia lá na frente nos arrependeremos de não ter deixado o sentimento fluir, de não ter escutado aquela musica, e não ter visto aquele filme juntos.  Arrependeremos- nos e nos torturamos com isso. Mas será tarde demais, e é nesse momento que verei onde está a graça de tudo.

10 comentários:

Tatiane Rosa disse...

Muito lindo visite meu blog e leia o post de hj,acho q tem a ver com vc...
http://euseiquepossovencer.blogspot.com/

sidnei disse...

Ah muito legal gostei!
sucesso com blog!

http://seligainfo.blogspot.com/

Luís disse...

Não pude deixar de pensar nos românticos quando li o texto. A Escola do Romantismo produziu textos muito semelhantes a esse seu: deveras depressivos, idealizando o amor, tornando-o inalcançável, mesmo no plano do presente.
Vale ressaltar que eu percebi mais estilo do que sentimento no que foi escrito; talvez a formalidade tenha provocado um distanciamento do leitor para com o texto.

Gramaticalmente, há um erro quanto há colocação pronominal. "Arrepender-nos-emos" seria o aconselhável, dada a estrutura. Minha sugestão é que dê um tom mais informal, pelo menos a esse trecho. Tanto a forma correta quanto aquela por qual você optou são estranhas. E há um "é" faltando, o que deixou um período meio incoerente, embora seja perfeitamente compreensível.

De um modo geral, gostei do que li.

Andrei Vinicius Morais disse...

ADOREI "A Solidão que me alegra" Nossa, viajei legal com o texto *------*

Não-sei-quem disse...

bem na linha romântica. gostei do que li. mas deixa para viver tudo agora e se arrepender agora também! depois esse arrependimento vai ser muito mais pesado...

Carlos Augusto Matos disse...

Interessante o que vc postou... Muito mesmo, e sabe gostei da essência do seu blog, me cultivou a entrar aqui, e vai me cultivar a entrar sempre, pois vou virar seu seguidor...

Se tiver um tempo, entra no meu pois estou divulgando-o...Se gostar, me segue, por favor...

http://visaopoetica84.blogspot.com/

wallis disse...

Despedidas,
Nem sempre é fácil.

Jéssica disse...

Belo texto...Belo blog!

Pobre esponja disse...

A solidão é essencial. Temos de negá-la, mas a solidão (não em excesso) é fundamental para nosso crescimento. Vejo certas pessoas sempre cercadas e não creio que aquilo serviria para mim. Também escrevo poesias e preciso de minha solidãozinha, para depois comunicar-me em larga escala...

bjs
Parabéns pela sensibilidade
Pobre Esponja

FORGET-ME-NOT, disse...

vishêê! rs, profundo. Porém não faz minha linha de pensamentos. Já passei por isso, mas depois percebi que estava sentindo falta não da pessoa em si, mas da imagem que eu criei dela, do que ela me passava. Enfim, o negócio é saber viver só com a gente pra depois saber viver com ou sem o outro. :) e isso é mooooointo difícil.